sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Um pouco mais [ainda] de Woody Allen.

Ele é o assunto do momento nos jornais e revistas de plantão. Pego carona na tendência que está em voga, é claro. 

O ganhador do Oscar e diretor de Noivo Neurótico, Noiva Nervosa impressiona por manter uma média de produção de um filme por ano, mesmo aos 72 anos de idade. Woody Allen não decepciona com sua mais nova empreitada: filmado na Espanha, o longa Vicky Cristina Barcelona estréia hoje nos cinemas do país e coleciona críticas 
mais que favoráveis na mídia brasileira. 

No embalo do lançamento do filme, o jornalista Eric Lax também lança essa semana o livro "Conversas com Woody Allen: seus filmes, o cinema e a filmagem". Segundo matéria do G1, a publicação de 512 páginas reúne entrevistas feitas pelo autor com o cineasta ao longo de 36 anos. Status da blogueira: ansiosa pra ler!

Voltando à Vicky Cristina Barcelona. Na ansiedade de quase um ano de espera, fui à pré-estréia na sexta passada, cheia de expectativas – as quais foram a
tendidas em cheio. Suspeita para falar de Javier Bardem, que interpreta o audacioso (e sexy, claro) pintor Juan Antonio, me atenho às três mulheres e principalmente a uma, que rouba a cena no filme. 

Chega de foto da Penélope com o cigarrinho na boca. 

Penélope Cruz a-r-r-a-s-a dando uma de descontrolada, pirada, maluca e tudo mais, falando castelhano tal qual mandam suas raízes. Exprime uma emoção e 
uma loucura que se vê em poucas atrizes atualmente. Não diria que é candidata ao Oscar, por seu papel pequeno. Mas, certamente, vai marc
ar sua carreira (a atriz assumiu que pediu para Woody um papel e ele prontamente aceitou). Ex-mulher do pintor, a personagem Maria Elena compl
eta o quadrilátero amoroso formado, também, pelas personagens Vicky e Cristina, interpretadas pelas atrizes Rebecca Hall e Scarlett “the muse” Johansson. 

Barcelona, no filme, é o cartão-postal. É a cidade da arte, turístic
a, bela aos olhos das duas turistas americanas que dão nome ao filme. Uma, noiva, buscando conhecer mais sobre Identidade Catalã. A outra, tentando descobrir seus caminhos. “Ela só sabe o que não quer”, diz a voz em off, referindo-se à loira Cristina. As duas conhecem Juan Antonio num restaurante – de cara, o galã faz uma proposta de viagem nada ortodoxa. A partir daí, desenvolve-se os casos das moças com o pintor. Quer for vê-lo, prepare-se para gostosas risadas. 

Vicky é um papel morno, mesmo com a talentosa atriz – no entanto, é também essencial ao desenrolar do filme. Allen trata das paixões efêmeras, da busca incessante do prazer e das dúvidas amorosas que pairam sobre 99,9% das mentes do mundo. Trata da poesia leve da vida, dos encontros e desencontros, das insatisfações humanas em seu íntimo.
Um recente seminário que apresentei na Ufes, sobre um capítulo do livro de Zygmunt Bauman, “Amor Líquido”, me fez ligá-lo imediatamente ao filme. Tanto que passei o trailer para os colegas.

Scarlett com cara de piniqueira e Woody no set!

A trilha sonora, com base em apenas na música-tema “Barcelona” e em algumas canções entoadas no famoso violão espanhol, é do grupo Giulia y los Tellarini. Logo de cara, amei. Tem um quê humorístico – a cara do diretor, uma pegada gostosa do violão, um ritmo puramente espanhol. De acordo com o blog Mosaicos de Barcelona, o grupo deixou um cd com a música na recepção do hotel em que Woody estava hospedado na época das filmagens. Durante um trajeto de carro, acabou escutando a trilha e pronto. Definido o tema de Vicky Cristina Barcelona.


 
Música maravilhosa, a cara do filme. Deliciosa de ouvir. 

Vicky Cristina Barcelona é um filme leve e com roteiro simples, gostoso de ver e de pensar. Locações ótimas, boa fotografia, tiradas de humor como só o diretor sabe fazer, texto impecável. Atuações primorosas. Direção sagaz. Woody Allen. Recomendo. Para ver sozinho, a dois, a três, a quatro...

3 Told us something new!:

darsh. disse...

aii eu quero verrrrrrr *-*

Ana C. disse...

"Chega de foto da Penélope com o cigarrinho na boca."


huahuhuahuhuahhua
tô adorando as legendas das fotos.

monique ludmilammm! você anda se superando, gatam. apesar de ter feito esse post completamente às pressas, seu texto tem umas idéias muito legais. o finalzinho disse tudo. KKKKKKKK

putz, a historinha do filme é total aquela proposta de menage a quatre sugerida na apostila do Bauman, percebeu?

e tipo... vicky cristina barcelona é woody allen brincando de almodóvar em tempos de amor líquido.

"viva a nova era".


away...

Joyce Castello disse...

AWAAAAAAY!

Como Ana já destacou, gostei da deixa final! O filme pode ser assistido a dois, a três... HAHA!

A música é legal, conheci pelo vídeo!